Brasil: #AgoraNãoSãoElas? O ministério masculino de Michel Temer

América del Sur/Brasil/Mayo 2016/Fuente: El Pais /Autor: André de Oliveira

Resumen: El presidente interino anuncio su nuevo gabinete de gobierno sin la presencia de mujeres, lo cual ha generado reacciones. La ausencia de mujeres en la composición del gabinete llega en un momento simbolico de la lucha femenina en todo Brasil.

Eram apenas seis ministras mulheres, agora não há mais nenhuma. Confirmados os nomes do gabinete ministerial do Governo Temer, o fato, inédito desde o mandato do ditador Ernesto Geisel (1974-1979), chamou atenção. Com seus 22 ministros, Temer quebrou uma tendência que vinha crescendo desde que o último militar a ocupar o Planalto, João Figueiredo (1979-1985), nomeou Esther de Figueiredo Ferraz para a pasta de Educação, tornando-a a primeira ministra da história do Brasil.

Tímida nos mandatos de Fernando Henrique Cardoso, quando apenas quatro ministras foram nomeadas, presença feminina na Esplanada aumentou nos Governos petistas. Durante os anos Lula, foram 11 ministras, com Dilma, 15. A própria presidenta afastada, aliás, ganhou relevância no Executivo ao comandar as pastas de Minas e Energia e Casa Civil.

A ausência de mulheres na composição do Governo Temer chega também em um momento simbólico da luta feminista em todo o Brasil. No ano passado, na esteira da reação a um projeto no Congresso que complica o acesso aborto legal no país, a mobilização de mulheres nas ruas foi a maior em anos e as hashtags#MeuPrimeiroAssédio e #MeuAmigoSecreto, que denunciaram abusos escamoteados por medo, ganharam as redes. Outra campanha, a #AgoraÉQueSãoElas, cobrava especificamente maior participação de mulheres na sociedade.

As reações ao gabinete de Temer não demoraram nesta quinta-feira e explicitaram o descompasso entre o anúncio e uma agenda em ascensão. Em seu Facebook, a deputada estadual Manuela D’Ávila (PCdoB-RS), ironizou o fato de o novo ministério não ter presenças femininas: “Até agora nenhuma mulher ministra. Mulheresapenas quando belas, recatadas e do lar”, fazendo referência a uma reportagem em que Marcela Temer, mulher do presidente interino, era descrita como “bela, recatada e do lar”. Em um momento em que campanhas exigem maior participação e respeito à mulher na sociedade brasileira, a ausência de ministras anda em descompasso com a voz das ruas.

Uma das mais influentes ONGs pró-ativismo feminino, o Think Olga, também se manifestou. O grupo usou uma imagem do ministério de Dilma onde as mulheres sãoapagadas da foto para prometer uma resposta nas ruas. “Lamentamos, mas não seremos combatidas pelo retrocesso. As mulheres vão mostrar seu poder nas ruas/nas urnas/na luta”.

Fuente de la noticia: http://brasil.elpais.com/brasil/2016/05/12/politica/1463073214_630598.html

Fuente de la imagen: http://ep01.epimg.net/brasil/imagenes/2016/05/12/politica/1463073214_630598_1463079261_noticia_normal_recorte1.jpg

Comparte este contenido:

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.