Brasil: Funcionarios públicos mantienen movilización contra PEC 32 y actúan en la Explanada

América del Sur/Brasil/30-10-2021/Autor(a) y Fuente: fasubra.org.br

El Día del Funcionario Público fue una gran movilización en Brasilia / DF contra la PEC 32 (Reforma Administrativa) que promueve la destrucción de los servicios públicos y afectará áreas esenciales como la salud y la educación. FASUBRA Entidades sindicales y de base participaron en la manifestación en la Explanada de Ministerios, junto con otras entidades de servicio público, centrales y sectores de movimientos sociales.

La concentración comenzó a las 9 de la mañana, en el Espacio Servidor, en el Bloque C del Ministerio de Economía. Luego salieron a pasear al césped frente al Congreso y de ahí pasaron al Bloque P del Ministerio de Economía con consignas contra PEC 32, contra Paulo Guedes, Bolsonaro y el presidente de la Cámara de Diputados, Arthur Lira (PP – ALABAMA).

“Hoy es un día de lucha, resistencia y enfrentamiento a los ataques del gobierno federal. Pero más que eso, estamos construyendo una movilización que puede derrotar al PEC 32 ”, afirmó el coordinador general Toninho Alves. Para él, es importante continuar la batalla en las próximas semanas.

“Estamos en otra semana intensa de protestas contra la PEC 32. Es fundamental que nosotras las mujeres, el sector más agredido de la sociedad con esta reforma, si pasa la PEC, estamos en la lucha”, resaltó la coordinadora de Mujer Trabajadora Rosângela. Costa.

Naara Aragâo, también de la Coordinación de Mujeres Trabajadoras, destacó la lucha de los profesionales de la educación durante la pandemia. “Estamos aquí representando a toda la clase trabajadora, a los trabajadores de las universidades federales, especialmente a los trabajadores del HU (Hospital Universitario). Sabemos cómo eran guerreros en ese momento de la pandemia, enfrentando dificultades de negación y de infraestructura. Pero seguiremos en la lucha por los trabajadores del SUS, la educación, el servicio público y por nuestro país ”, dijo.

“Hoy es un día muy especial, un día de homenaje a los servidores públicos. Y si es cierto que nuestra lucha está impidiendo que el gobierno obtenga los 308 votos necesarios para votar la reforma administrativa, también es cierto que los servidores públicos contamos con el apoyo de la población. La población que necesita servicios públicos de calidad ”, enfatizó la coordinadora de Finanzas y Administración Márcia Abreu.

La coordinadora de Políticas Sociales y Género Herivelton Ferraz recordó los constantes ataques del gobierno a trabajadoras y trabajadores. “Es importante decir que no tenemos mucho que celebrar con este gobierno que nos ataca todo el tiempo. El PEC 32 es una prueba del desprecio de este gobierno por el servicio público ”.

“Estamos hoy aquí en este importante día, día del servidor, por la valorización del servicio público y contra el PEC 32”, reforzó la coordinadora de Comunicación Melissa Campos.

Por la tarde, FASUBRA Sindical sostuvo una ronda de conversación, en el espacio Chico Mendes de la UnB, con representantes de organizaciones de base presentes en Brasilia para reforzar la lucha contra la PEC 32. En total estuvieron presentes 21 entidades.

Consulta los discursos completos de los coordinadores y coordinadores y el paseo por la Explanada en los vídeos:

https://www.facebook.com/Fasubra/videos/1069843103419714

https://www.facebook.com/Fasubra/videos/4578197228905321

https://www.facebook.com/Fasubra/videos/1506418923068536

https://www.facebook.com/Fasubra/videos/593028051940088

Fuente e Imagen: https://fasubra.org.br/geral/servidores-e-servidoras-mantem-mobilizacao-contra-a-pec-32-e-fazem-ato-na-esplanada/

Comparte este contenido:

Brasil: FASUBRA Sindical na luta contra o Decreto 10.620/2021

América do Sul/Brasil/06-08-2021/Autor e Fonte: fasubra.org.br

O Decreto 10.620, de 5/2/2021, tem como objetivo centralizar as aposentadorias e pensões dos servidores e servidoras das autarquias e fundações federais no Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Isto vale para os já aposentados e para os futuros, que deverão entrar com seus processos de aposentadoria direto no INSS, e não mais em seus órgãos de origem.

De acordo com o Decreto, o INSS será o gestor do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS) tanto dos servidores públicos quanto do Regime Geral de Previdência Social (RGPS). Com isso, o órgão que já tem mais de 30 milhões de beneficiários, receberá mais 620 mil aposentados e pensionistas dos órgãos públicos, além de conceder as futuras aposentadorias.

Vale lembrar que este Decreto não se aplica aos poderes Legislativo, Judiciário e nem aos órgãos constitucionalmente autônomos, apenas autarquias e fundações, os que ganham menos. O parágrafo 20 do artigo 40 da Constituição Federal prevê a criação de uma entidade gestora única para centralizar as aposentadorias dos regimes RPPS e RGPS.

No entanto, como esta entidade ainda não foi criada, o governo por meio do decreto, redireciona todos os aposentados e pensionistas das universidades e institutos federais, juntamente com os de outros órgãos, na vala comum do INSS, sem contar que vemos quase que diariamente na imprensa nacional, pessoas reclamando da demora do INSS em atender suas demandas.

Para cumprir o cronograma de centralização estabelecido pelo decreto, foi publicada no dia 12 de julho a Portaria 8.374, que normatiza os procedimentos para o envio de toda documentação dos aposentados, pensionistas e das pessoas em processo de aposentação para o INSS. As datas para cada autarquia ou fundação enviar serão definidas pelo presidente do INSS. Algumas universidades já tiveram reunião com a Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal do Ministério da Economia para tratarem do assunto.

De acordo com a portaria, toda vida funcional do servidor, toda documentação, incluindo até processos administrativos e judiciais serão enviados para o INSS. Dessa forma, toda vez que o aposentado ou pensionista precisar resolver algum problema, deverá se dirigir ao órgão. Uma aposentadoria que era concedida em pouco tempo pela universidade, poderá demorar anos para sair. Além de tirar dos reitores a prerrogativa de conceder as aposentadorias.

O decreto também prevê o remanejamento de servidores da área de pessoal das autarquias e fundações para o INSS. No caso das universidades, os reitores nem terão que autorizar. Esse procedimento, e a retirada da concessão das aposentadorias pelos reitores, ferem a autonomia universitária.

A FASUBRA Sindical entrou como amicus curae na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6767, ajuizada pelo PT e pelo FONASEFE no processo. Na ação, buscam uma liminar declarando a inconstitucionalidade do decreto. A deputada federal Alice Portugal-PCdoB também entrou com um decreto legislativo pedindo a derrubada do decreto presidencial.

Enquanto aguardamos o desenrolar dessas ações, que esperamos sejam deferidas a nosso favor, seguimos na luta. Como Coordenação de Aposentados/as e Assuntos de Aposentadoria, procuramos informar nossos aposentados/as, pensionistas e aposentandos, de mais esse prejuízo que o governo nos impõe.

Não perca hoje (3/8), às 16h, a Live “Não mexam na nossa aposentadoria. Decreto 10.620 e Portaria 8.374, não!” que vai tratar do assunto.

Veja detalhes da live: https://bit.ly/3Abb2bn

Foto: EBC.

Fonte e Imagem: https://fasubra.org.br/geral/fasubra-sindical-na-luta-contra-o-decreto-10-620-2021/

Comparte este contenido:

Brasil: 29 e 30 de julho – Encontro Nacional dos trabalhadores e trabalhadoras do Setor Público contra a PEC 32

América do Sul/Brasil/16-07-2021/Autor e Fonte: fasubra.org.br

O Fórum dos Servidores Públicos das Centrais Sindicais marcou para os próximos dias 29 e 30 de julho o “Encontro Nacional do Setor Público”, das esferas municipal, estadual e federal, que discutirá a derrota da reforma administrativa (PEC 32) no Congresso Nacional.

O encontro é organizado pelas centrais sindicais, entidades sindicais, entre elas a FASUBRA Sindical, os movimentos, frentes e fóruns de servidores. Foi aprovado um amplo calendário de mobilizações, com quatro etapas, que iniciam nesta sexta-feira (9/7), sendo: 1ª etapa – mobilizações locais; 2ª etapa – plenária estadual; 3ª etapa – encontro nacional; 4ª etapa – manifestação em Brasília.

Na convocação das atividades destacam que é urgente e fundamental ampliar a mobilização de todos os servidores e servidoras para lutar contra a PEC 32. “Essa mobilização, além de atingir todos os/as trabalhadores/as do setor público brasileiro, deve chegar à população em geral que será gravemente atingida pela reforma, às Câmaras Municipais e às Assembleias Legislativas dos Estados, aos/às Prefeitos/as, aos Governadores/as, às organizações públicas e privadas”.

Veja aqui o calendário de mobilizações completo.

Fonte e Imagem: https://fasubra.org.br/geral/29-e-30-de-julho-encontro-nacional-dos-trabalhadores-e-trabalhadoras-do-setor-publico-contra-a-pec-32/

Comparte este contenido:

Brasil: Nuevas manifestaciones contra el gobierno de Bolsonaro ya tienen fecha: el 19 de junio será mayor

América del Sur/Brasil/11-06-2021/Autor(a) y Fuente: fasubra.org.br

Las manifestaciones callejeras que tuvieron lugar en todo el país el 29 de mayo fueron consideradas “una enorme victoria política” contra el (des) gobierno de Bolsonaro por parte de movimientos sociales, centrales, frentes, foros, entidades y partidos de oposición. Tanto es así que ya está confirmada una nueva fecha de protesta para el 19 de junio . La población brasileña demostró que ya no puede soportar tantos reveses y muertes por Covid-19 y los actos “Fora Bolsonaro” llegaron a más de 210 ciudades y 14 países.

La segunda actividad de la campaña nacional Fora Bolsonaro traerá los mismos temas: juicio político a Bolsonaro, contra reforma administrativa (PEC 32), contra desempleo y hambre, por vacunación para todos, contra recortes en educación, privatizaciones y devolución de ayuda de emergencia de R $ 600. Los actos deben seguir estrictamente los protocolos de la OMS (Organización Mundial de la Salud), con distancia, uso de mascarillas y gel de alcohol .

La Unión FASUBRA orienta a las entidades radicadas a participar en los actos, ya sea en manifestaciones callejeras o en protestas virtuales, y que sigan presionando a los legisladores de sus estados y oficinas políticas contra la reforma administrativa, que próximamente será considerada por la Comisión Especial.

¡El gobierno de Bolsonaro es más dañino que el virus!

¡Todos y todos en las calles!

# ForaBolsonaroeMourão

#Vacuna para todos

#Contra los Tribunales en Educación

# NotoPEC32

Fuente e Imagen: https://fasubra.org.br/noticias/novas-manifestacoes-contra-o-governo-bolsonaro-ja-tem-data-dia-19-de-junho-vai-ser-maior/

Comparte este contenido:

Brasil: FASUBRA participa de audiência pública para debater Autonomia Universitária e liberdade de Cátedra

América do Sul/Brasil/16-04-2021/Autor e Fonte: fasubra.org.br

Entidades da Educação e do movimento estudantil, entre elas a FASUBRA Sindical, participaram de audiência pública da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, na última segunda-feira (05), para discutir Autonomia universitária e liberdade de cátedra. A proposta é dos deputados Sâmia Bomfim (Psol-SP), Glauber Braga (Psol-RJ) e Ivan Valente (Psol-SP), com o apoio do deputado Reginaldo Lopes (PT-MG).

Na ocasião foi debatido sobre o princípio da “liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber”, inscrito no artigo 207 da Constituição Federal e reiterado na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), que estaria sendo desrespeitada pelo atual governo federal. Citaram como exemplos a nomeação de reitores não incluídos nas listas tríplices formadas pelas universidades; a interferência na participação de servidores em congressos acadêmicos e medidas de cerceamento da liberdade de expressão nas instituições de ensino.

O coordenador-geral da FASUBRA Sindical Antônio Alves Neto (Toninho) foi um dos convidados e destacou a solidariedade da FASUBRA Sindical para com todos os familiares e todas as vidas ceifadas em decorrência do vírus Covid-19. Toninho lembrou também sobre o descaso do governo Bolsonaro diante de toda a tragédia a qual o povo brasileiro vem sendo submetido.

Toninho criticou a apresentação realizada pelo representante do Ministério da Educação (MEC). Para ele, a fala não condiz com a realidade vivida pela comunidade acadêmica atualmente, um modelo de Universidade distinta da realidade do País e a que o presidente da República Bolsonaro defende. “Esses dados apresentados das Universidades não condiz, inclusive com os cortes em 2021 denunciados pelo setor Docente das Universidades” frisou ele.

A Universidade Brasileira não é de hoje que vem sendo atacada. “Na questão da autonomia e liberdade de cátedra, um processo histórico que nós vivemos, desde o período da ditadura militar até o período da abertura democrática do País. Os processos atravessados e agora caminhando para uma Universidade operacional, organização social e deixando de ser uma instituição pública, social, voltada para as questões das crises sociais do País”, concluiu Toninho.

Estavam presentes no debate: Wagner Vilas Boas de Souza, secretário de Educação Superior do Ministério da Educação (MEC); Rivânia Lúcia Moura de Assis, presidente do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes/SN); Christian Vincenzi, presidente do Diretório Central dos Estudantes do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet/RJ); Ana Paula Santos, coordenadora-geral do Diretório Central de Estudantes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); José Geraldo de Sousa Júnior, professor e ex-reitor da Universidade de Brasília (UnB).

A audiência atendeu a requerimento nº 14/21 de autoria da deputada Sâmia Bomfim (PSOL-SP), subscrito pelo deputado Reginaldo Lopes (PT-MG). No encerramento, Toninho reafirmou que o MEC tem que escutar as entidades, mas em momento algum se mostrou aberto ao diálogo. Ele disse que a FASUBRA quer debater, porém a FASUBRA em nenhum momento foi recebida por esse Governo e, mais uma vez, cobrou a reunião de negociação com o MEC. O coordenador-geral concluiu dizendo que a FASUBRA oficializou o desejo de se fazer uma reunião com o MEC e o novo ministro da Educação, Milton Ribeiro, para discutir questões relacionadas à Autonomia Universitária e as intervenções nas Universidades pelo presidente da República.

Assista a audiência na íntegra.

Estagiária sob supervisão.

Com informações da Agência Câmara.

Fuente e Imagen: https://fasubra.org.br/noticias/fasubra-participa-de-audiencia-publica-para-debater-autonomia-universitaria-e-liberdade-de-catedra/

Comparte este contenido: